Página Inicial

Recorde de transferência de dados! 661 Tbps em apenas um cabo de fibra óptica

Imagem retirada de https://pplware.sapo.pt/tutoriais/networking/recorde-de-transferencia-de-dados-661-tbps-em-apenas-um-cabo-de-fibra-optica/
Imagem retirada de https://pplware.sapo.pt/tutoriais/networking/recorde-de-transferencia-de-dados-661-tbps-em-apenas-um-cabo-de-fibra-optica/

Nos últimos anos os recordes conseguidos ao nível da transferência de dados digitais não se têm aguentado por muito tempo. Segundo informações, recentemente foi alcançado um novo recorde ao conseguirem-se velocidades de transferência de dados na ordem dos 661 Tbps em apenas um cabo de fibra óptica.

Conheçam as técnicas e “segredos” usados!

Compactar dados na fibra ótica tem truque
Ter uma internet rápida é algo que ninguém descarta! Hoje em dia as velocidades de transferência de dados para o consumidor final são já bastante interessantes. Mas, a realidade e evolução dá-nos indicações que é preciso mais largura de banda para que as comunicações sejam mais eficientes e rápidas.

A titulo de curiosidade o tráfego médio da Internet é de várias centenas de Tbps e consome cerca de oito por cento da produção de eletricidade.

Recentemente uma equipa de investigadores voltou a bater o recorde que tinha sido alcançado ao nível da velocidade de transferência de dados. Segundo as informações partilhadas, o grupo de investigadores conseguiu transmitir dados a uma velocidade de 661 Tbps em apenas um cabo de fibra óptica.

Para compactar mais dados numa única fibra óptica, os dados são divididos em diferentes cores de luz através de um processo designado de multiplexagem por divisão de comprimento de onda. Infelizmente, cada cor requer o seu próprio laser, o que significa que o custo da energia aumenta com a largura de banda.

O segredo está nas cores…
O ponto de partida para os investigadores alcançarem tal feito foi um laser, mais concretamente a luz que este emite.

Por si só, o laser não gera muitas cores, então os investigadores recorreram a  “um truque” para obter mais cores. A luz é passada através de um fio muito fino (cerca de 300 nanómetro de diâmetro).

O diâmetro é tão pequeno que a luz é comprimida, ficando muito brilhante. A alta intensidade faz com que o material que compõe o fio crie novas cores. O truque é que essas novas cores seguem o espaçamento definido pelo feixe do laser.

Transmissão de dados
A luz emitida pelo laser é dividida em duas polarizações – polarização é a orientação do campo elétrico à medida que ele oscila – de modo que cada cor contribui com dois canais.

Os dados podem ser transmitidos em quatro intervalos de tempo diferentes, através de um processo designado de Multiplexagem por Divisão de Tempo (TDM). Assim, cada cor tem uma taxa de “dados brutos” na ordem dos 320Gbps. Com 80 cores, que foi o conseguido com o “truque” referenciado anteriormente, é possível chegar aos 25Tbps (por cor).

A fibra que transportou o sinal tinha 30 núcleos envolvidos num único revestimento.Isso significa que cada núcleo é capaz de transportar dados a uma taxa de 25 Tbps, perfazendo um total de 768 Tbps.

Contudo, esta é a taxa de dados brutos, ou seja a taxa teórica. Como as comunicações têm sempre overhead e existe também redundância ao nível dos dados transmitidos, a taxa de transferência de dados final calculada chegou aos 661Tbps.

fonte: pplware, escrita por Pedro Pinto