Página Inicial

Reino Unido vai investir bilhões para levar 5G e fibra óptica para todos

Imagem retirada de https://erasmusu.com/pt/erasmus-londres/experiencias-erasmus/experiencia-erasmus-em-londres-reino-unido-por-ana-565692
Imagem retirada de https://erasmusu.com/pt/erasmus-londres/experiencias-erasmus/experiencia-erasmus-em-londres-reino-unido-por-ana-565692

O governo do Reino Unido anunciou um pacote de medidas para aumentar a competitividade internacional da região, oferecendo estrutura necessária para a implementação do 5G e, como consequência, fibra ótica para todo mundo que está morando por lá.

O plano foi anunciado nesta segunda-feira (23), durante a publicação de uma análise da futura infraestrutura de telecomunicações. Hoje, o Reino Unido está atrasado quando comparado com a disponibilidade de fibra em países próximos da Europa (4% de cobertura local, contra 71% da Espanha ou 89% de Portugal) e a mudança promete entregar este tipo de conexão para 15 milhões de instalações até 2025.

O prazo de entregar fibra para todos os países que fazem parte do Reino Unido (Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales) finaliza em 2033. Além disso, a cobertura de sinal 5G deve cobrir a maioria das grandes cidades no mesmo prazo e toda a estrutura também estará disponível para áreas rurais, de difícil acesso.

Para ajudar na implementação mais veloz, o governo da Rainha permitiu acesso bastante generoso aos dutos e toda a estrutura já existente, abrindo caminho para a fibra passar sem muita burocracia.

A previsão de custo total para a implementação da fibra em todo o território está entre três e cinco bilhões de libras esterlinas, algo próximo de R$ 15 e R$ 25 bilhões, em investimento público.

Para o 5G, é esperado que as operadoras façam maior uso de prédios do governo para aumentar a cobertura do Reino Unido. O pacote ainda afirma que considera o uso de modelos de espectro compartilhado entre as operadoras de redes móveis para o 5G, o que pode manter a concorrência que já existe entre elas e aumentar o acesso de novos modelos de negócios, todos focados em internet das coisas.

A maior operadora e ex-monopólio de telecomunicações no Reino Unido, BT, é mais cautelosa e já foi acusada de trabalhar na contramão da inovação. Para a empresa, o objetivo de 15 milhões de instalações nos próximos sete anos deve ficar em 10 milhões de instalações efetivas.

fonte: Techtudo